terça-feira, 15 de setembro de 2009

O presente que eu quero dos meus pais


São Paulo, 15 de setembro de 2009.

Mãe, Pai

Desculpe-me por estar escrevendo uma mesma carta para os dois. Estou cheia de coisas para fazer no trabalho, preciso agilizar. Além do mais, o assunto que eu tenho para tratar com vocês é o mesmo. Então vou ser direta ao ponto: vou me casar!!! Brincadeira, calma! Não é isso (ainda) que eu tenho para dizer. Vejam bem: ainda, porque se Deus quiser, muito em breve, farei este comunicado. Só preciso encontrar, primeiro, um homem de Deus (risos).

O real motivo desta carta é a vontade que eu tenho de estar perto de vocês, a necessidade da presença e a saudade que é grande demais! Claro que eu tenho um relacionamento bem diferente com cada um. Entre a mãe e eu, operou-se algo mágico. Hoje, declaro para quem for que ela é minha mãe no mais amplo e sublime significado que esta palavra possa ter. Um anjo de Deus com a missão de cuidar e ocupar-se integralmente de nós, de nossas preocupações e de nossas angústias. Mãe, você sabe o quanto significa para mim e como conseguimos fazer esta relação entre mãe e filha crescer, tornar-se sólida, carinhosa e abençoada. Te amo demais!!!

Já com o pai foi diferente. Ela já nasceu mágica, depois tivemos alguns obstáculos a enfrentar. Seu caminho ficou desalinhado com os nossos anseios e necessidades, mas mesmo assim nunca deixamos nosso amor ser abalado. Com o maior privilégio, posso dizer aos meus amigos que tenho o pai mais ‘louco’, carinhoso e divertido do mundo. Eu os amo de todo o meu coração e de toda a minha alma.

Nunca tive um filho, por isso nem sequer desconfio do tipo de sentimento que brota num ser humano quando ele assume a missão de ser MÃE ou PAI (em muitos casos, ‘pai’ e ‘mãe’ ao mesmo tempo). Um dia, quem sabe, eu descobrirei... A questão é que, para nós, os filhos, vocês são a base da nossa vida. São vocês quem nos constrói, colocam os tijolinhos, o cimento, as ferragens, vão nos estruturando de modo que possamos ser completos, fortes e capazes de agüentar as adversidades da vida. Pois a vida é feita disso mesmo, e a oportunidade que temos de aprender aqui na Terra é abençoada. Se acreditamos em Deus, reconhecemos em Jesus o Senhor de nossas vidas, cultivamos a fé e temos a companhia e o amor de nossos “anjos guardiões” – o pai e a mãe, conscientes – tudo fica mais leve e alegre.

Eu estou a alguns dias de completar 30 anos. Vocês, algum dia, pensaram que veriam um filho completar 30 anos de idade? Que benção heim... Eu mesma ainda me lembro quando ganhei de Natal um boneco que parecia um bebezinho; lembro quando ganhei minha primeira bicicleta (que felicidade!); lembro de quando a gente viajava para Miracema nas férias, no Natal, na Páscoa etc; lembro quando o pai me deu uma coça porque me pegou beijando no portão de casa; quando ele quebrou uma vassoura nas minhas pernas no meio da rua, na frente dos meus amigos, só porque eu havia saído do castigo sem autorização; quando eu tive o azar de ser pega por vocês matando aula, quando quebrei meu dente andando de bicicleta e ainda tomei uma bronca; quando arrumei meu primeiro emprego e cheguei toda feliz em casa mostrando meu primeiro salário; quando não fui aprovada no vestibular, quando fui aprovada; quando arrumava confusão com os meus namoros; quando saía para a balada e chegava em casa naquele estado; lembro quando me despedi da minha mãe porque decidi sair de casa e tentar vida profissional em outra cidade (que dor!). Quantas coisas ainda são tão claras em minha lembrança, muitas delas parecem que aconteceram ontem.

Se eu pudesse escolher, preferiria não crescer! Preferiria ser dependente de vocês até hoje, ficar debaixo de suas asas. Estou dizendo isso, pois percebo nitidamente como meus “problemas”, coisas bobas e simples, tomaram outra proporção simplesmente por eu não contar com a companhia e a presença de vocês. Só em tê-los por perto, tudo muda de figura. Mas segundo a lei de Deus, nós precisamos crescer e amadurecer. Como diz a Sua Palavra, temos que deixar nossos pais e sua casa para formar a nossa família, ou seguir o nosso caminho, que é único e individual.

Neste aniversário, eu só gostaria de receber uma carta de vocês dois. Que nela vocês escrevam alguns conselhos, algumas dicas, coisas que possam ser úteis na minha caminhada pessoal, profissional, espiritual e, também, afetiva (risos). Principalmente afetiva, estou precisando tanto neste momento. Não é fácil ficar sozinha numa cidade como São Paulo. Ela pode ter mais de 10 milhões de habitantes, mas a gente não encontra um que possa preencher o buraco que fica em nossa alma longe das pessoas que a gente mais ama.

O engraçado disso tudo é que eu não quero e nem pretendo voltar. Não, agora. Não sem ter conquistado o que eu vim buscar aqui. Eu mesma não sei exatamente o quê é, só Deus tem esse conhecimento. Mas sei que tudo virá, e virá por Tuas Mãos. Confio demais em Deus Pai, esse é o meu maior consolo, é onde se concentram todas as minhas forças e esperanças. Talvez, seja por isso que tomei a decisão de estar mais próximo dEle, seguir fielmente seus ensinamentos e seu caminho. Se tem uma coisa que me levanta totalmente o astral hoje, aqui em São Paulo, é estar na Líber (a Igreja Batista da Liberdade), em comunhão com Jesus e meus queridos irmãos em Cristo. Engraçado eu falar assim, não é mesmo? Mas é verdade. Não somos realmente todos irmãos em Cristo Jesus? Estou muito feliz por estar recebendo tantas bênçãos de Deus, pelas pessoas que Ele tem colocado em meu caminho, mas MINHA QUERIDA MÃEZINHA TEREZA e o MEU PAI SUPER ESPECIAL GILBERTO são insubstituíveis, são a minha base, a minha segurança, o meu consolo, a minha proteção, o alívio e o amor que eu conheci neste mundo. Agradeço também, imensamente, a Deus pelos meus irmãos. A Adriana e o Dudu são meus companheiros fiéis, verdadeiros amigos e parceiros. Agora, tem mais um: o Giovane. Espero que ele possa compartilhar com a gente a alegria de poder contar uns com os outros, de sermos irmãos de verdade, em carne e espírito.
Mãe, Pai, escrevam para mim. Estou na ‘olho do furacão’ (risos), ou seja, na crise dos 30! Preciso de orientações, conselhos, força, ânimo, coragem e fé. Ficarei esperando ansiosa a cartinha de vocês, ouviu?

Com todo carinho do mundo
Da filha mais velha de vocês,
Raquel Corrêa Silva, 30 anos!

Um comentário:

Tami Arita disse...

Raquel,
Você me surpreende a cada dia.
Que mensagem é essa? Que pedido é esse?
Com certeza, nada é mais importante do que as palavras dos nossos pais.

Estou muito emocionada com o seu texto.

Como a nossa vida é cheia de momentos incríveis, inesquecíveis. Também lembro-me de muitas situações, desde os meus 3 aninhos tenho muitas recordações.
Uma delas é quando decidi o nome do meu irmão, o Ricardo.
Mamãe sentou na cama e perguntou: _ Filha, qual nome você quer dar para seu irmãozinho? E eu pequenina disse com toda certeza: _Ricardo mamãe!

Somos abençoadas temos pais tão maravilhosos, não é!?

Quero dizer que apesar de não ser sua irmã de sangue, sinto como se fosse sua irmã "espiritual".

Saiba que você pode contar sempre comigo. Não tenha receio em pedir nada, pois o que eu faria para uma irmã eu faço para você!

Depois se quiser compartilhar as palavras, ficarei muito feliz em ouvi-las.

Que Deus te abençoe muito, muito mais e te guie com muita sabedoria para você alcançar todos seus objetivos.

E eu vou estar ao seu lado para aplaudir de pé e mais uma vez me emocionar ao seu lado.

Te amo mineirinha.

Do fundo do meu coração.
Tami Arita Corrêa Silva