domingo, 24 de outubro de 2010

Um novo coração...














Quando a gente escolhe caminhar em direção a Deus e ter uma vida mais comprometida com os ensinamentos que Jesus veio nos trazer para que vivêssemos em harmonia, em paz e tendo a chance de desfrutar aqui mesmo na Terra um pouquinho da felicidade que Ele nos reserva lá no céu, significa que também temos que fazer sacrifícios, opções, ter coragem e determinação para viver a vida a partir de uma nova postura. O problema é que muitas vezes (muitas vezes mesmo) não queremos fazer certos sacrifícios, algumas renúncias nem, simplesmente, exercitar uma nova forma de encarar os fatos. Desejamos um novo coração, clamamos em nossas orações “venha a nós o vosso reino”, “seja feita a vossa vontade”, mas quando nos deparamos com um pequeno desafio, vacilamos! Às vezes, chegamos a ter consciência do ‘passo errado’ que estamos dando, mas não nos rendemos mesmo assim, porque nosso orgulho fala mais alto, nossa vaidade ainda está no comando impedindo que a humildade, fruto da essência de Deus, cresça e tome mais espaço em nosso espírito. Nesse momento, percebemos o quanto ainda s estamos mergulhados nas diretrizes do mundo material e tão longe dos valores espirituais.
Desafios como esses são colocados em nosso caminho a todo o momento, principalmente, no daqueles que têm buscado, orado e desejado viver uma nova vida, a verdadeira vida, uma vida com Deus. Ele, certamente, nos ouve e cuida dos desejos do nosso coração, mas será que estamos realmente dispostos a nos transformarmos em uma nova pessoa? Será que temos força de vontade e determinação o suficiente para vigiar nossos pensamentos, sentimentos e adequá-los aos ensinamentos de Jesus Cristo quando eles se mostram deturpados? Será que somos corajosos o suficiente para assumirmos uma nova postura, mesmo que isso signifique nos ‘rebaixarmos’ ao outro?

Como é grande o desafio de ser um verdadeiro cristão. Dizer que é ‘cristão’ porque crê em Deus não é uma tarefa tão difícil, eu diria até que é bastante cômodo para algumas pessoas que vivem pedindo milagres e esperando as ações de Deus ‘cairem em seus colos’. Meu entendimento em SER cristão significa um desafio que exige mais do que uma conversão de crença, mas uma conversão de postura, sentimentos, pensamentos, modo de vida, disposição e ação. E isso, pelo menos para mim, é muito difícil. Significa, como disse antes, mudar valores, deixar de ser orientado pelo seu orgulho e vaidade, significa ter coragem para ser diferente num mundo onde o diferente, na maioria das vezes, não é aceito. Significa ter coragem para se colocar menor do que o outro, mesmo se sentindo mal por isso. Significa esvaziar-se de si mesmo e deixar-se encher pelas bênçãos e as graças de Deus. Significa deixar o nosso ‘eu’ de lado e desconsiderar nossa superficial opinião, porque lá no íntimo da nossa consciência, que é ligação direta com Àquele que nos criou, uma voz nos chama a atenção e tenta lembrarmos-nos de nossa verdadeira essência, indicando o melhor caminho a seguir, que está de acordo com o amor que Jesus veio nos ensinar e que nos leva diretamente à nossa origem, a uma vida plena e feliz junto ao Pai.

Se desejamos isso no íntimo do nosso coração, por que não nos empenhamos verdadeiramente para esta conquista? É muito fácil pedir a transformação por meio da graça de Deus e não tomar nenhuma atitude. Temos condições sim de formar uma estrutura sólida por meio de nossas escolhas, decisões e faculdades, bênçãos essas oferecidas gratuitamente, pela misericórdia divina. Eu creio que Deus é pura graça, e o seu amor é infinito e incondicional, mas também acredito que, por nos dar a liberdade de escolha, Ele também espera uma atitude sincera de nós. E essa atitude não é somente ‘pedidos’. É decisão, coragem e disposição. É ânimo, é determinação e humildade. É fé, garra e compromisso com Ele, com o próximo e com a gente mesmo. Tarefa nada fácil de assumir, mas que certamente pode nos levar a um outro nível de humanidade. Acho que nesses processos de conversão, principalmente àqueles conduzidos pelas igrejas, falta um acompanhamento mais eficiente e uma fonte de instrução mais simples. Para se estruturar uma obra, é preciso um trabalho de qualidade na base, pois este será o alicerce da construção que sustentará nossa fé, nossa nova conduta moral e espiritual. E, dessa forma, veremos nosso coração ser transformado, gradativamente, em um canal de distribuição do amor de Deus. É no momento em que o amor de Deus encontra espaço para nele habitar é que podemos dizer que temos sim um novo coração. Esse é o maior presente que podemos almejar e a decisão está em nossas mãos.

“Jesus, viver com esse coração eu já não posso. Dai-me um coração semelhante ao vosso.”

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Coisas que a vida ensina












Amor não se implora, não se pede, não se espera. Amor se vive ou não.
Ciúmes é um sentimento inútil, não torna ninguém fiel a você.
Animais são anjos disfarçados, mandados à Terra por Deus para mostrar ao homem o que é fidelidade.
Crianças aprendem com aquilo que você faz, não com o que você diz.
As pessoas que falam dos outros pra você, vão falar de você para os outros.
Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.
A água é um santo remédio.
Deus inventou o choro para o homem não explodir.
A ausência de regras é uma regra que depende do bom senso.
Não existe comida ruim, existe comida mal temperada.
A criatividade caminha junto a falta de dinheiro.
Ser autêntico é a melhor e única forma de agradar.
Amigos de verdade nunca te abandonam.
O carinho é a melhor arma contra o ódio.
As diferenças tornam a vida mais bonita e colorida.
Há poesia em toda a criação divina.
Deus é o maior poeta de todos os tempos.
A música é a sobremesa da vida.
Acreditar não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente.
Filhos são presentes raros.
De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças acerca de suas ações.
'Obrigada', 'Desculpe' e 'Por favor' são palavras fundamentais, chaves que abrem portas para uma vida melhor.
O amor... Ah, o Amor! O Amor quebra barreiras, une nações, destrói preconceitos e cura doenças. Não há vida feliz sem amor.
E é certo, quem ama e é muito amado, vive a vida mais alegremente.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Tão Grande És Tu











Senhor meu Deus, quando eu maravilhado
Fico a pensar nas obras de Tuas mãos
Na terra e o mar, no céu todo estrelado
O teu poder mostrando a criação.

Então minha alma canta a Ti Senhor
Tão grande és Tu! Tão grande és Tu!
Então minha alma canta a Ti Senhor
Tão grande és Tu! Tão grande és Tu!

Quando a vagar nas matas e florestas
O passaredo alegre ouço a cantar.
Olhando os montes, vales e campinas
Em tudo vejo teu poder sem par.

Quando eu medito teu amor tão grande
Teu Filho dando ao mundo pra salvar.
Na cruz vertendo teu precioso sangue
Minha alma pode assim purificar.

Quando enfim Jesus vier em glória
E ao lar celeste então me transportar
Te adorarei, prostrado e para sempre
Tão Grande és Tu, meu Deus hei de cantar.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Saci Pererê - riqueza cultural do nosso país


















Segundo celular que eu perco aqui no Horto Florestal. Estou começando a achar que isso é coisa do Saci Pererê... (do facebook, em 24/09/10)

O Saci Pererê é uma lenda do folclore brasileiro que originou-se entre as tribos indígenas do sul do Brasil. O Saci possui apenas uma perna, usa um gorro vermelho e sempre está com um cachimbo na boca. Inicialmente, o saci era retratado como um curumim endiabrado, com duas pernas, cor morena, além de possuir um rabo típico. Com a influência da mitologia africana, o saci se transformou em um negrinho que perdeu a perna lutando capoeira, além disso, herdou o pito, uma espécie de cachimbo e ganhou da mitologia européia, um gorrinho vermelho.

A principal característica do Saci é a travessura, muito brincalhão ele se diverte com os animais e com as pessoas. Muito moleque ele acaba causando transtornos como fazer o feijão queimar, esconder objetos, jogar os dedais das costureiras em buracos etc. Segundo a lenda, o Saci está nos redemoinhos de vento e pode ser capturado jogando uma peneira de taguara. Após a captura, deve-se retirar o capuz da criatura para garantir sua obediência e prendê-lo em uma garrafa.

Diz também a lenda, que os Sacis nascem em brotos de bambus, nestes eles vivem sete anos e após esse tempo, vivem mais setenta e sete para atentar a vida dos humanos e animais, depois morrem e viram um cogumelo venenoso ou uma orelha de pau.

domingo, 12 de setembro de 2010

Um lembrete para o meu Pai
















Pai, como você tem a Bìblia em casa, pegue-a de vez em quando e faça uma rápida leitura. Tenho certeza de que te fortalecerá e te trará sua luz.  O Espírito Santo de Deus usa essas palavras, que são mágicas mediante à nossa fé, para nos dar instrução, paz e consolo. Experimente antes de julgar e criticar. Pelo menos de uma coisa eu tenho certeza, o 'mal' dará um jeitinho de ficar bem longe enquanto você tiver a Palavra nos lábios, na mente e no coração, sem segundas e terceiras inteções como muitos fazem, mas com humildade, bondade e sinceridade. Me diz o que há de mais precioso eimportante para ser compartilhado? Como vamos aprender a sermos pessoas dignas, seres humanos de valor, cheios de virtudes, se não tivermos uma "Fonte" de instrução e motivação? Com carinho... Raquel

terça-feira, 31 de agosto de 2010

O amor seja sem hipocrisia (Rom 12.9)















No dia 1° de abril de 2010, o elenco do Santos, atual campeão paulista de futebol, foi a uma instituição que abriga trinta e quatro pessoas. O objetivo era distribuir ovos de Páscoa para crianças e adolescentes, a maioria com paralisia cerebral. Ocorreu que boa parte dos atletas não saiu do ônibus que os levou. Entre estes, Robinho (26a), Neymar (18a), Ganso (21a), Fábio Costa (32a), Durval (29a), Léo (24a), Marquinhos (28a) e André (19a), todos ídolos super-aguardados. O motivo teria sido religioso, a instituição é espírita, o Lar Espírita Mensageiros da Luz, de Santos-SP, cujo lema é Assistência à Paralisia Cerebral. Visivelmente constrangido, o técnico Dorival Jr. tentou convencer o grupo a participar da ação de caridade. Posteriormente, o Santos informou que os jogadores não entraram no local simplesmente porque não quiseram. Dentro da instituição, os outros jogadores participaram da doação dos 600 ovos, entre eles, Felipe (22a), Edu Dracena (29a), Arouca (23a), Pará (24a) e Wesley (22a), que conversaram e brincaram com as crianças.


Diante deste fato, o Pastor ED RENÉ KIVITZ, da Igreja Batista de Água Branca, São Paulo/SP, fez uma análise profunda sobre o ocorrido e escreveu o texto abaixo que tenho o prazer de compartilhar:


No Brasil, futebol é religião

Os meninos da Vila pisaram na bola. Mas prefiro sair em sua defesa. Eles não erraram sozinhos. Fizeram a cabeça deles. O mundo religioso é mestre em fazer a cabeça dos outros. Por isso, cada vez mais me convenço que o Cristianismo implica a superação da religião, e cada vez mais me dedico a pensar nas categorias da espiritualidade, em detrimento das categorias da religião.

A religião está baseada nos ritos, dogmas e credos, tabus e códigos morais de cada tradição de fé. A espiritualidade está fundamentada nos conteúdos universais de todas e cada uma das tradições de fé. Quando você começa a discutir quem vai para céu e quem vai para o inferno; ou se Deus é a favor ou contra à prática do homossexualismo; ou mesmo se você tem que subir uma escada de joelhos ou dar o dízimo na igreja para alcançar o favor de Deus, você está discutindo religião. Quando você começa a discutir se o correto é a reencarnação ou a ressurreição, a teoria de Darwin ou a narrativa do Gênesis, e se o livro certo é a Bíblia ou o Corão, você está discutindo religião. Quando você fica perguntando se a instituição social é espírita kardecista, evangélica, ou católica, você está discutindo religião.

O problema é que toda vez que você discute religião você afasta as pessoas umas das outras, promove o sectarismo e a intolerância. A religião coloca de um lado os adoradores de Allá, de outro os adoradores de Yahweh, e de outro os adoradores de Jesus. Isso sem falar nos adoradores de Shiva, de Krishna e devotos do Buda, e por aí vai. E cada grupo de adoradores deseja a extinção dos outros, ou pela conversão à sua religião, o que faz com que os outros deixem de existir enquanto outros e se tornem iguais a nós, ou pelo extermínio através do assassinato em nome de Deus, ou melhor, em nome de um deus, com d minúsculo, isto é, um ídolo que pretende se passar por Deus.

Mas, quando você concentra sua atenção e ação, sua práxis, em valores como reconciliação, perdão, misericórdia, compaixão, solidariedade, amor e caridade, você está no horizonte da espiritualidade, comum a todas as tradições religiosas. E quando você está com o coração cheio de espiritualidade, e não de religião, você promove a justiça e a paz. Os valores espirituais agregam pessoas, aproxima os diferentes, faz com que os discordantes no mundo das crenças se dêem as mãos no mundo da busca de superação do sofrimento humano, que a todos nós humilha e iguala, independentemente de raça, gênero, e inclusive religião.Em síntese, quando você vive no mundo da religião, você fica no ônibus. Quando você vive no mundo da espiritualidade que a sua religião ensina ou pelo menos deveria ensinar, você desce do ônibus e dá um ovo de páscoa para uma criança que sofre a tragédia e miséria de uma paralisia mental.

Ed René Kivitz, cristão, pastor evangélico e santista desde pequenininho

domingo, 22 de agosto de 2010

O que deve ser feito e o que se deve fazer















Sábado de manhã. Acordo com um sol lindo batendo na janela e o meu namorado no meu quarto me dando um beijinho de bom dia. Com aquele rosto todo animadinho, de moletom e aqueles irresistíveis olhos verdes, ele me convida para andar de patins no Parque Vila Lobos, um lugar muito gostoso aqui em São Paulo. Ele já sabe que meus programas preferidos envolvem ar puro, natureza, gente, atividades diferentes, novidades etc.
Exito em responder... Por alguns instantes, faço uma rápida avaliação das atividades que precisam ser cumpridas no final de semana, como dar uma limpeza na casa, lavar e passar algumas peças de roupas, fazer unha, fazer os exercícios de inglês, estudar, além de trabalhar um pouquinho no meu projeto profissional pessoal. E, para falar a verdade, não é só isso. Tenho uma lista de coisas programadas para fazer que envolvem projetos, metas e objetivos, pois não foi à toa que me mudei para São Paulo.

Reconheço a importância de cada uma dessas tarefas, mas é sábado, o dia está lindo e o meu namorado de folga. Começo a viver um conflito entre o dever que precisa ser cumprido e o que vale a pena se feito de verdade. Tomo uma rápida decisão antes que eu resolva passar o dia inteiro dentro de um apartamento frio na capital paulista.

Levanto num pique e troco de roupa. O Gu havia até havia trazido uma calça legging para mim. Coloquei uma blusinha branca, um tênis, passei um filtro solar no rosto, fiz um rabo-de-cavalo no cabelo e fui para a rua. Tudo que eu gosto nesta vida, do jeito que eu gosto de estar...

Passeamos no parque, conferimos uma exposição do exército que havia no local e resolvemos nos arriscar no patins. Mesmo sem praticar há algum tempo, não fiz feio. Já o Gu... Ficou mais tempo sentado no chão do que de pé. Eu me diverti muito com isso, pois ele vive contando 'marra' das coisas que ele faz ou deixa de fazer. Aproveitei a oportunidade para dar o troco e tirar uma onda básica para cima dele.

Além dessa divertida situação, gostoso mesmo foi sentir a sensação de correr e deslizar ao mesmo tempo, do vento no rosto, de um caminhar mais leve e mais rápido... Como a vida poderia ser assim, um circuito organizado, amplo, sem muitos obstáculos, a gente contando com uma ferramenta que nos ajuda a dar e ganhar impulso na caminhada, e os parceiros de estrada, ao invés de competirem com você ou quererem te jogar no chão, compartilham suas limitações, oferecem apoio, dão diversas dicas, caem junto se for o caso, riem, se divertem, aproveitando cada situação para estender as mãos.

Uma pena não ser assim o mundo que a gente construiu. Que pena quando, realmente, não podemos escolher o que deve ser feito e o quê se deve fazer - as verdadeiras prioridades desta passageira vida. Nesta tarde de sábado, pude me dar ao luxo de pensar nessa questão. E não perdir a oportunidade de agradecer a Deus por estar naquele local, na companhia de uma pessoa tão especial.

Depois do passeio de patins, fizemos uma lanche - pastel com água de côco e garapa para o Gu - e procuramos uma árvore para descansar. Deitamos na grama e, juntinhos, ao som dos gritos das crianças, dos latidos dos cachorros e da bandinha do exército (que não tinha e menor cara de ser uma banda da Força Armada Brasileira), passamos toda a tarde. Teve gente que chegou a dormir no meu colo com aquela cara de bobo que só essa "terrível" pessoa sabe fazer.

Que delícia amar, namorar, sonhar, contemplar a natureza e apreciar cada detalhe especial que compõe este mundo. Sei que muitas coisas ruins também acrescentamos a ele, mas podemos transformá-lo, podemos mudar, mesmo que seja uma pequenina coisa. De todos os deveres que temos a cumprir, dois não deveriam ser esquecidos: tentar ao máximo ser feliz e deixar o mundo um pouquinho mais agradável de se viver. Mas no caso de ser sábado, há uma concessão na troca dos deveres. Eu escolhi curtir a companhia do meu namorado, deitar na grama e admirar um lindo pôr do sol.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Somos companheiras...

Querida irmã


Eu acredito sim, só tento não dar tanta ênfase (importância) a esses fatos, mas que eles acontecem e são reais, isso são! Por exemplo, segunda-feira, quando fazíamos nossa oração lá em casa, comecei a sentir uma dor na nunca também, parecia um peso e cheguei até ter um pouco de mal -estar e dor de cabeça, mas coisa leve. Eu sabia que se tratava de algo espiritual e me deu até vontade de parar a oração e ir para o meu quarto ficar quietinha, mas resisti. Comecei a me concentrar mais, focar meus pensamentos em Jesus, na figura dele e na sua intensa luz. As meninas nem tem ideia, mas minha luta ali foi grande. Eu queria sair dali a todo o momento (ou queriam que eu saísse da Presença do Senhor, pois Ele mesmo disse "onde tiver dois ou mais reunidos em meu nome, ali eu estarei"). Consegui resistir e fui dormir. Pensei em rezar novamente, mas não consegui de cansada que eu estava. Acordei na manhã seguinte meio mal por ter sentido isso, por não ser forte o suficiente, por me permitir conectar com essas energias inferiores. Sabemos que a "culpa" é nossa mesmo, são nossos pensamentos, nossos sentimentos, nossas dúvidas, conflitos e, principalmente, nossa falta de fé que nos leva a sofrer essas coisas. Ficamos debilitados, mas a receita para evitarmos este mal nós já sabemos, o problema é que não a colocamos em prática.

Quero te falar outra coisa, aproveitando essa questão de falta de fé e de desânimo. Lembra como eu estava ontem? Fiquei muito feliz e agradeci a Deus por ter conversando com você. Falei que estava precisando ir num centro espírita, ouvir uma palestra e me sentir um pouco mais confortada ou consolada, pois me considero frágil e limitada demais à svezes. Cheguei em casa e fui buscar o "evangelho segundo o espiritismo" para ler, mas não o encontrei. Lembro que escondi para as meninas pararem de falar na minha cabeça, como se aquele objeto atraísse espíritos ou coisa parecida rsrs. Então resolvi pegar minha Bíblia mesmo. Pensei comigo:´"é muito legal ver pessoas crentes, fiéis, católicos, evangélicos ou o que seja dando um valor sobrenatural à PALAVRA DE DEUS, a única forma concreta de comunicação do Nosso Criador com seus filhos, um manual de instrução, de ensinamentos, de consolo e de ânimo. Sim, ânimo = fé. Li Hebreus 11 e fiquei impressionada. É maravilhoso demais os escritos que encontramos nela. Eu, às vezes, fico chateada comigo mesma por não dar ainda o devido valor a este presente que os principais seguidores de Cristo - as pessoas mais fiéis e mais crentes em Deus, os mais corajosos, profetas, pessoas simples, servos ou mesmo pecadores (pois todos foram, e todos nós somos)- se dispuseram a criar para manter acesa a chama da fé em Deus, para nos mostrar O caminho, para falar de Jesus. A Bíblia é o livro mais lido no mundo até hoje. Não é a toa, né?

Num momento de oração, Deus me disse (à minha maneira de entender né? rs) " É hora de lavar o rosto, como José do Egito, ou de comer algo e reanimar, como Davi, ou de subir as montanhas e enfrentar os gigantes como Calebe, ou de levantar e ir, como Abraão ou de, simplesmente, confiar no Senhor, o teu Deus." Tem noção do poder dessas palavras, irmã??? Eu aprendi que Deus criou o mundo por meio de Sua Palavra: "Haja luz" e a luz se fez. "E o Verbo se fez carne", e Jesus, nosso Senhor, chegou. Eu creio no poder da palavra de Deus e ontem Ele me disse que eu não devo ficar desanimada, que devo levantar a cabeça e enfrentar as coisas, é para isso que estamos aqui. Devo me submeter aos desafios que a vida impõe com obediência, resignação, ânimo, confiança e fé. A fé é o pré-requisito para Ele mover montanhas a nosso favor, entende? Sabe por quê tanta coisa já conquistamos e conseguimos até hoje? Porque acreditamos em Deus, confiamos nos talentos que Ele nos deu, confiamos na sua proteção, confiamos que as coisas darão certo se for para o nosso bem, para o bem de nossos irmãos e para a glória do nome dEle.

Sei que é normal, humanamente dizendo, ficar desanimada, angustiada e frágil, mas é nesta hora que devemos dar prova da nossa fé e da nossa confiança. É nesta hora que devemos declarar que somos filhas e filhos de um Deus Supremos, Todo-Poderoso e infinitamente amoroso. Assim, teremos condições de dar testemunho para as outras pessoas, assim seremos diferentes, assim poderemos mudar um pouquinho a "vibração negativa" que tenta se instaurar à nossa volta. Entendeu? Trevas não se misturam com a luz. Mas a Luz espanta toda e qualquer treva, mesmo que seja um pequeno fecho. Nós fazemos parte da única e verdadeira fonte de Luz que existe neste Universo, Deus. Viemos dEle e um dia para Ele voltaremos. Por sua imensa bondade, Ele nos deixou o Caminho - nosso Senhor Jesus Cristo. Não aprendemos que Jesus é a Luz do Mundo, o Caminho, a Verdade e a Vida? Ele nos disse: "Ninguém vai ao Pai senão por mim.” Ele assumiu nossa humanidade para que pudesse se tornar a ponte perfeita entre o criador e as criaturas. Respeito todas as religiões, você sabe, mas Jesus para mim é inquestionável. Para mim, ele é Deus, porque está em Deus, na total unidade do Espírito Santo de Deus.

Não precisa ligar para o Eraldo para ele te falar que tem que acender vela azul ou incenso de Sant German (rsr tô zuando, mas ele me disse isso uma vez). Não precisa! Feche seus olhos onde estiver, pense em Jesus, peça a Ele que seja sua companhia por alguns minutos, se debruce em seus braços, estenda suas mãos, peça colo (como diz o Pe. Marcelo Rossi). Não precisa nem falar, Deus sabe de tudo. Somente permaneça em sua presença. Para se fazer uma boa oração, muitas vezes não é preciso falatório, apenas de um coração aberto e da nossa humildade. Algumas vezes, sento em minha cama e peço a Jesus que se sente ao meu lado. Nem rezo, propriamente, como a maioria das pessoas, mas elevo meus pensamentos a Ele e deixo que Ele fale comigo, não eu. Confesso que na maioria das vezes, não consigo escutá-lo. Na grande maioria das vezes! Mas tb a "culpa" é minha. Quantas vezes fico ali quietinha , mas me deixando levar por pensamentos idiotas, mundanos e preocupações supérfluas... Deus não divide espaço com nada, Ele é absoluto. Nossa entrega tem que ser total, e só conseguimos isso por meio de muitos exercícios. Portanto, comece já. Reserve 20 minutinhos do seu tempo, todos os dias, para ficar com Jesus. Para desfrutar da sua companhia, para não fazer mais nada a não ser ficar em sua Presença. Com o tempo, começaremos a ouvi-lo. Convide o Rui para orar toda semana com você e fazer um estudo da Bíblia. Ele ficará feliz e vai se empolgar rs. Isso, irmã, fará toda a diferença.

Mas não quer dizer que não passaremos por tormentas e crises. Lembre-se, isso são desafios, oportunidades de crescimento e fortalecimento humano e espiritual. Outro dia, comentei com o Gu que "problemas não existem, o que existem são questões a serem resolvidas." Algumas estão ao nosso alcance, outras não, mas precisamos enfrentá-las - com ânimo, com coragem, perseverança e fé. Se eu tivesse procurado aquilo que eu queria ontem, talvez hoje não tinha escrito tudo isso para você (e para mim também). Portanto, creio que Deus tem me mostrado o melhor caminho a seguir e simplificado a minha vida. Estou muito feliz por isso! Que Jesus esteja em nossa companhia – agora e sempre!!!

Beijos
Amo você!!!
Raquel

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Coisas de filha e pai...













Oi Pai!
Tudo bem? Essa cartinha é só para compartilhar alguns pensamentos que tenho em relação a Deus, a espiritualidade, entre outros assuntos que de vez em quando a gente compartilha. Você sabe que esse é um dos meus assuntos preferidos rs. Isso porque o setor espiritual, para mim, é de suma importância, pois entendo que a vida aqui nesta Terra é rápida e passageira. Daqui, nada de material levamos, apenas o que enriquece e fortalece o nosso espírito. Entendo que estar viva hoje, neste mundo, neste momento, é uma grande benção, uma oportunidade 'ímpar' para evoluirmos, converter-nos aos verdadeiros valores (os espirituais e os morais) e contribuir para a instauração do reino de Deus, ou seja, construir um mundo de paz, justiça, respeito, harmonia e amor.

Hoje, o que mais faz sentido na minha vida é fazer parte deste projeto, colaborar com este trabalho de transformação da sociedade. Por isso desejo tanto trabalhar com responsabilidade social e sustentabilidade. Como profissional de comunicação, acredito que posso contribuir bastante para informar as pessoas, despertar a consciência, estimular hábitos e atitudes mais respeitosas em relação ao próximo e até mesmo em relação ao meio ambiente. Quem me ouve falar assim pode até pensar que sou uma cidadã exemplar, uma pessoa comprometida da cabeça aos pés com o bem-estar de todos, com a ética e a justiça, um ser humano 'evoluído',como dizem alguns. Mas eu não sou, tenho plena conciência disso, mas reconheço que tenho tentado dia-a-dia colocar em prática esses valores, modificar meus pensamentos e adotar uma nova postura em todas as situações.

Por conta deste próposito é que se justifca a minha constante busca por religião, ou seja, por uma prática comprometida com bem de todos e com a transformação do mundo. Como você mesmo disse, apesar de sempre ter sido católica, busquei e participei de algumas, aprendi coisas novas, troquei de teorias, me permitir conhecer e viver coisas diferenças. Na verdade, pai, eu não estava tentando me encontrar, como você cita na carta que escrevu para mim. Já sei quem eu sou e o que vim fazer neste mundo. O que eu queria mesmo era uma estrutura sólida, totalmente comprometida com a ética e o bem, um lugar onde eu pudesse me apoiar, me fortalecer, aprender, compartilhar, crescer e evoluir e, depois, ajudar os outros.

Todos nós precisamos de uma base sólida e segura para viver, todos nós precisamos de parâmetros para crescer e contribuir neste mundo. Hoje em dia, percebo que cada um segue sua própria consciência, seus próprios valores, ses próprios conceitos, as suas 'verdades'. Claro, eu também tenho as minhas. Quem não as tem? Afinal de contas, a liberdade é um dos maiores bens. A questão é como exercer esta liberdade, esse preciosos patrimônio. Somos responsáveis? Temos discernimento e sabedoria suficientes? Pensamos nas consequências que cada uma de nossas ações resulta, seja em nossa própria vida, na vida do próximo, das pessoas que amamos, da nossa comunidade, do meio ambiente, nos exemplos que podemos ou deixamos de dar? Ou simplesmenteexercemos uma liberdade egoísta e mesquinha, voltada somente para nossa satisfação pessoal? Acredito que para tudo há certos limites, até mesmo para a liberdade que nos foi concedida. Por conta dessa falta de limites de valores é que estamos vivendo em situações tão complicadas e tão tristes. Situações qe provocam sofrimentos, dúvidas, angústias e até mesmo violência.

Fico feliz ao constatar que, mesmo ainda nesta busca por ensinamentos morais elevados, muita coisa já faz parte da minha conduta. E isso eu devo a você e a mãe. Vocês são pessoas completamente diferentes. Praticamente em quase todos os aspectos vocês entram em atrito. Mas como todo ser humano, vocês têm dois lados, e eu aproveitei bastante o lado positivo de vocês - e até o negativo! Risos...

Com você, pai, eu aprendi a repeitar e conviver com todos, seja quem for, o que tenham feito, suas crenças e valores. Com você, aprendi que somos todos iguais e que preconceito é uma coisa muito feia. Com você aprendi que não precisamos esconder nada, mesmo que tenhamos feito alguma muito errada. Entendi que a espiritualidade começa dentro de nós mesmo, aprendi a cultivar as amizades e a alimentar cada vez mais esta rede que nos sustenta nos delicados e nos grandes momentos da vida. Aprendi que um abraço e um colo de pai é a situação mais segura e confortável do mundo. Que é possível sorrir mesmo nos momentos mais difíceis, e que viver Nelson Gonçalves , Fagner, Joana, Martinho da Vila domingo de manhã é uma delícia!

Com a mãe aprendi que a vida é coisa séria e que precisamos 'andar na linha'para vencê-la e conquistar nosso espaço. Aprendi que as obrigações não são um peso, elas fazem parte da vida de qualquer ser humano. Fugir só irá atrasar nossa caminhada e nos prejudicar. Enfrentá-las nos torna mais fortes, mais guerreiros e mais valentes. Com a mãe, aprendi que mentira tem perna curta. E tem mesmo! Que em toda e qualquer situação, ela é o pior caminho, a pior escolha. Aprendi a dar valor a cada centavo que ganho e que mesmo sendo pouco, com consciência, economia e uma atitude responsável podemos fazer muito. Com ela, aprendi que o lar é nosso verdadeiro porto seguro e que mãe é tudo numa casa. Não há palavras para descrever tamanha dedicação, preocupação e atuação. Ela nunca descansa, trabalha mesmo de longe por meio de suas orações.
Que lições mais lindas vocês nos deram! Se eu conseguir transmitir um pouco dessa educação para meus filhos, ficarei muito feliz. Acredito que eles também, poi eu sou uma pessoa muito feliz e abençoada por ter vocês. Como nosso propósito aqui na Terra é encontrar a felicidade e distribuá-la aos outros, eu quero compartilhar um tesouro que tem preenchido de forma sobrenatural a minha vida - o relacionamento que estou desenvolvendo com Deus. Todo dia, tenho uma prova de seus poder e seu amor. Pode parecer estranho, eu sei, falar assim como se eu nunca tivesse me importato com Ele, mas é uma relação diferente agora. Reconheço que vocês sempre estimularam a gente - eu e meus irmãos - a rezar, ir na missa e participar das atividades da igreja. Mas eu queria mais, achava que tinha que haver mais, mais conhecimento, mais estudo, mais comunhão, orações em família, mais comprometimento e entendimento. Não me lembro de ter participado de uma oração em conjunto, em nossa casa, quando ainda todos morávamos juntos. Lembro das festas, da participação dos vizinhos, amigos, familiares, bebidas, músicas, mas nunca participei de um momento especial dedicado a Deus, uma pausa para agradecer Àquele qe nos protege, nos ampara e nos concede todo o bem da Terra.

Talvez vocês justifiquem que vocês ensinarem, mas cada um deveria fazer sua parte e que vocês não poderiam nos obrigar a nada. Tudo bem, concordo. Mas a gente só se sente obrigada a fazer alguma coisa quando não detectamos relevância no fato ou quando não concordamos. Mas como podemos discordar de alguma coisa se nem experimentamos, se nos falta conhecimento e até incentivo? Hoje, por conta da igreja (a Líber), das meninas que moram comigo (a Ana e a Ju) e da Execultive (Tami e Renata) estou descobrindo a alegria de orar em união, chamar a Deus para o nosso meio e compartilhar com Ele nossos sonhos, anseios e receios. A gente se sente mais forte, mais unidos e mais parecidos uns com os outros. Afinal de contas, somos filhos do mesmo Pai.

Por falar em Deus, era isso que eu queria compartilhar com você, pai. Quando estive te visitando no iníco desse ano, você disse que estava muito satisfeito. As dificuldades maiores haviam passado, seus produtos foram aperfeiçoados, as vendas melhorado e agora você estava morando de frente para o mar, sonho que aimentava há anos. Em um determinado momento, você olhou o céu, o mar, as montanhas e disse que para você Deus era isso, uma natureza magnífica e absurdamente bela. Fiquei muto fliz em perceber sua sitonia com o Criador. Sim, podemos ver e sentr Deus em tudo que vemos ou sentimos, em cada detalhe em cada ser vivo, na natureza, no céu, em nossos semelhantes e até nos microrganismos. Tudo é muito rico e complexo. Mas, acredite, tudo o que vemos é somente parte de uma grande obra cujo autor é nosso Deus. Fico imaginando seu poder e sua plenitude frente a essa magnífica obra, a todo esse universo que, segundo cientistas, não pára de se expandir. Se não temos noção sequer de toda sua criação, quem dirá do próprio Criador. Já dizia o famoso cientista fracês, Luis Pasteur, 'o conhecimento limitado nos afasta de Deus, o conhecimento profundo nos aproxima."

Acho que é assim mesmo. Para reconhecermos o nosso Deus basta olhar o mundo a nossa volta. Estar com o Pai é muito simples, experimentar seu poder nao exige nenhum ritual ou fórmula mágica. Basta querer, ter fé e se abrir. Querer é fácil, mas ter fé e se abrir é um processo que exige muito exercício e dedicação da nossa parte. Tenho me esforçado, mas confesso que estar ao lado de pessoas mais 'adiantadas' facilita muito. Além disso, como disse anteriormente, a comunhão entre os irmãos também é essencial, pois nos inspira e nos fortalece. Por favor, não deixe de ensinar e transmiti isso para o Giovane. Queria tanto, pai, que nós tivêssemos tido a chance de exercitar essa comunhão com Deus todos juntos. Aposto que as coisas seriam diferentes, que não teríamos passado por tantas dores e 'traumas'. Teríamos encontrado caminhos e soluções, teríamos aguentado as fortes ondas da vida e superado as dificuldades juntos. Juntos! Mas agora você tem a chance de transmitir isso ao Giovane, para as pessoas que convivem com você e também para aqueles que cruzarem seu caminho. Deixem que eles levem um pouquinho da sua fé e da sua luz. Porém, o mais importante é cutivar e exercitar, em casa, no dia-a-dia, ao lado das pessoas com as quais convivemos, a fé e o relacionamento com Deus. Depois a gente pode compartilhar. Pois para transmitir algo precisamos ser exemplos, não é mesmo? Pense nisso quando tomar uma latinha de cerveja na frene do Giovane. Desculpe, não resistir em cutucá-lo... A quesão é que eu também acredito que para se ter um bom relacionamento com Deus precisamos adquiir e adotar bons hábitos. Preciamos também valorizar o que somos, a vida que recebemos e a vida das outras pessoas também. Sou chata e vivo falando essas coisas porque amo muito você, pai, e me preocupo com o meu irmãozinho. Que Jesus os ampare e os guarde sempre. Com carinho... Raquel

terça-feira, 6 de julho de 2010

Um mês de namoro...

















Hoje, estou completando 1 mês de namoro e sabem qual foi a primeira coisa que o Gu fez? Me ligou para orarmos - por telefone mesmo. Agradecemos imensamente a Deus por estarmos juntos, pedimos mais uma vez a benção de Jesus e que nunca nos falte sabedoria e amor. Muito amor!

Esse foi o melhor presente que eu poderia receber. Ainda me falta palavras para expressar a felicidade que estou sentindo por ter encontrado uma pessoa como ele. E, o mais importante, por nós dois concordamos e acreditarmos que Deus tem que estar em primeiro lugar.

Sempre sonhei em encontrar alguém que tivesse fé em Deus, que não se importasse muito em frequentar igreja (religiosamente rs), que gostasse de estar em comunhão com os irmãos em Cristo, que se derramasse em oração e que tivesse, pelo menos, o desejo de desenvolver uma conduta de acordo com o Evangelho de Jesus. Essa pessoa apareceu... E ele estava bem "debaixo do meu nariz", dentro da igreja da qual faço parte.

Bastou uns três encontros, duas gafes que cometi com ele, a visita da minha mãe (que foi nosso elo) e um abraço maravilhoso que demos um no outro, espontaneamente, depois de termos assistido a um show, para decidirmos ficar juntos para valer. Foi tudo rápido, nem deu muito tempo de pensar. Nossas emoções nos conduziram rapidamente para um compromiso sério, cheio de carinho e de doação.

Eu sinto vontade de compartilhar essa alegria com muitos outros casais. Sinto vontade de dizer que eles podem sim ser muito felizes com aquela pessoa que Deus nos reservou. A receita é simples, não custa nada, não demanda muito sacrifício. Basta desejar ter Deus como Senhor e guia absoluto de nossas vidas. Basta buscá-lo, solicitar sua ajuda e convidá-lo para que Ele viva no meios e dentro de nós. Mas é muito importante que numa relação isso seja feito pelos dois, juntos!

Domingo passado, ouvi o pastor da minha igreja dizer a um jovem casal que Deus é Amor. Por isso, se um dia o amor deles esfriar ou faltar, que era só pedir a Deus que o restaurasse. Ele assim o fará quantas vezes for preciso. Sabemos que somos muito limitados, fracos, imperfeitos e incapazes de amar, por isso precisamos dEle para que nossa união seja forte, estável e feliz.

Jesus é o único elo de amor entre os homens. Se Ele nos faltar, ficamos sujeitos às armadilhas e  dificuldades do mundo, nos afastamos das pessoas e deixamos que sentimentos negativos invandam nosso coração. Entretanto, alguns podem perguntar: "É possível viver sem Jesus?" Claro que sim, basta olhar a nossa volta... Como está nosso mundo hoje? Feliz, seguro, harmonioso, igualitário? Não! Mas estamos vivendo, não estamos?

Deus nos deu a vida gratuitamente, por sua pura e imensa graça, e não nos cobra nada em troca. Mas, podemos observar a diferença entre aqueles que vivem verdadeiramente orientados pelo amor do Pai e os outros que preferem desconsiderar esta dádiva. Apesar de convivermos no mesmo "espaço", a forma de enxergar o mundo, as atitudes e os valores são bem diferentes. Infelizmente, ainda são poucos os irmãos convertidos em Cristo Jesus.

Podemos viver sem Deus, mas de uma maneira incompleta e sem muito sentido. Mas, para se ter uma vida plena, sabemos que é preciso SER de Deus de verdade. A fé, a humildade e o coração sincero são os únicos ingredientes para uma relação de sucesso com Deus. E, como diz o meu Gu, "com Deus é sucesso garantido."

"Pai, gostaria tanto que as pessoas entendessem isso. Gostaria que as pessoas se dispusessem a viver umas com as outras corajosamente, que elas recheassem suas relações de respeito, carinho, consideração e amor. Muito amor! Gostaria que o Senhor fosse o amálgama entres os homens e, principalmente, entre os casais. Que o Senhor fosse nosso Guia Absoluto, a Luz que ilumina nossa vida e o Propósito que precisamos para seguir. Particularmente, eu não teria o menor ânimo de passar por esta terra se não fosse pela esperança de um dia ver o seu reino ser instaurado. E nós, seu filhos, tendo a chance de vivermos em sua companhia, sob a sua Luz, para sempre. Que esse dia chegue logo, em nome de Jesus. Amém!"

P.S.: "Pai, abençoe e proteja o Gu para mim. Obrigada por esse presente. Permita que sejamos muitos felizes para honra e glória do Seu Nome. Te amo muito!!! Amém"

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Nada de Barbie!

Hoje quando percebi os trajes que estavam compondo o meu visual - calça jeans, blusa verde, bota marrom e casaco bege – me dei conta de que eu podia resolver uma dos maiores traumas de infância. Agora entendo porquê meu pai me deu de presente a boneca Susie Caçadora ao invés da Barbie Noite de Gala.
Eu sempre quis ter uma Barbie, quase todas as minhas amigas tinham. Minha mãe, quando eu era criança, trabalhava como costureira. Eu ficava ao seu lado fazendo as roupinhas que ela iria usar quando chegasse em minhas mãos. Tiraria a maior onda com minhas coleguinhas, pois minha Barbie teria um guarda-roupa cheio de peças para ela desfilar. Mas, para minha decepção, meu pai chegou com uma outra boneca. Custei acreditar, pois a caixa era do mesmo tamanho e formato que a caixa da Barbie.

Ela se chamava Susie, a principal concorrente da Barbie, mas sem nenhuma chance de superá-la. Susie tinha os pés chatos, o nariz redondo, cabelos e olhos castanhos e também a cara larga. Para piorar a situação, meu pai disse que ela era bonitinha e se parecia comigo. Não era nem a Susie Garçonete, nem a Susie Bailarina, era a Susie Caçadora. Ela tinha uma uniforme bege, botas marrons, um chapéu na cabeça e uma espingarda nos ombros. Se aquela espingarda funcionasse, acho que eu metia uma bala de brinquedo no meu pai na hora.

Morria de vergonha que brincar com as minhas amigas, mas ou era a Susie ou era nada. Então me contentava em ser a empregada, a vigia ou a motorista das outras Barbies. Um dia, a gente encasquetou que as bonecas tinham que ter um namorado. Logo, uma delas comentou que ganharia o Ken, o famoso e bonitão par da Barbie. Eu, mais que depressa, pedi ao me pai para comprar um namorado para minha boneca, queria ser a primeira a ter um namoradinho, assim a Susie ia se dar bem diante daquelas loiras metidas.

Meu pai, comovido com a minha situação, se apressou e trouxe o pretendente da Susie. Empolgadísisma, nem busquei a boneca para recebê-lo, fui sozinha e me surpreendi novamente quando descobrir que o meu pai havia comprado um boneco do Incrível Hulk para nós duas. Pior, não era nem em forma de David. Não! Era no formato monstro, verde, asqueroso, com as calças rasgadas. Não acreditei. Mas querendo chegar antes das meninas, levei o Hulk e a Susie para a brincadeira.

No início, elas nos ignoraram, mas depois algo estranho aconteceu. O Ken nunca apareceu em nossa brincadeira, ou seja, nenhum pai se mobilizou para comprá-lo, e as Barbies se apaixonaram pelo Huck. Elas disputavam aqueles braços fortes, aquele olhar de dominação e a expressão de força e proteção que ele demonstrava. Mas ele era fiel a Susie. Com ela, ele ficava um bicho manso. Ele era grande, mas a espingarda era dela. Então ele não se fazia de besta.

No final da história, todas as Barbies ficaram à espera de seus príncipes encantados para viver um sonho de uma noite de gala. O incrível Hulk e a Susie partiram para algum lugar longe da sociedade pós-moderna de consumo, aparências e futilidades. Acredito que eles estejam muito felizes até hoje.

P.S.: Essa é uma história real. Não sei porquê olhei para o espelho hoje e lembrei da Susie Caçadora, esta boneca que eu ganhei quando tinha sei lá quantos anos. Só faço um pequeno ajuste, não somos caçadoras que matam os animaizinhos, mas sim que caçam os predadores do meio ambiente. Aqueles bichos gananciosos que retiram tudo o que podem da natureza para ganhar dinheiro e não repõem nada de volta, são indiferentes às vidas que habitam ali. Estes merecem ser capturados mesmo ou, pelo menos, levarem um grande susto.

Hoje, resolvido o meu trauma infantil, nada de Barbie ou de Ken. Prefiro ter esperança e acreditar na sorte (verde...rsrs) de que vou encontrar uma rapaz incrível que possa me proteger e me abraçar bem forte.

Outro detalhe especial

Quer ouvir outro detalhe singelo da vida que possui um significado todo especial para aquelas pessoas que conseguem perceber a magia que existe no universo? No meu caso, a borboleta azul é um deles. 
Desde pequena acreditava que quando uma borboleta aparecia em nossa casa era sinal que uma boa notícia estava por chegar. Em abril de 2009, em pleno de domingo de Páscoa, eu estava sentada na varanda da minha casa com alguns amigos do bairro. Na verdade, estávamos fazendo hora para a carona que me levaria de volta a São Paulo chegar. De repente, pousou entre nós uma borboleta azul lindíssima, deslumbrante, mágica... Começamos a “disputar” a notícia boa que iria chegar por meio dela.

Eu queria convencer a turma de que a notícia era minha já que ela estava na minha casa, mas eles disseram que poderia ser então de outra pessoa da família. Ao terminar de completar a frase, a borboleta voou e pousou exatamente sobre a minha perna. Eu fiquei ali parada, emocionada, queria dar um ‘aperto’ na borboleta, mas me contentei em dar-te um beijo mágico...

Fiquei tão instigada com aquela situação que não conseguia parar de pensar na boa notícia que a borboleta iria me trazer. Agora eu tinha a confirmação de que era mesmo para mim. Andando por São Paulo, cheguei a ver borboleta azul em tudo quanto é lugar: livros, anúncios publicitários, tatuagens, etiquetas de mochilas, pichação em muros, adesivos, pingentes, prendedores de cabelo, não dá para contar.

Imaginei até que a borboleta azul havia se tornado um novo hit da moda. Mas isso estava apenas na minha cabeça. Fiz algumas pesquisas para saber o significado e entender o porquê dessa ‘coisa’ não me abandonar. Descobri que as borboletas, no imaginário humano, assim como eu pensava desde criança, prenunciam acontecimentos alegres. Na cultura greco-romana, assim como na egípcia, ela está relacionada à alma. A palavra ‘psique’, em grego, por exemplo, quer dizer ao mesmo tempo espírito e borboleta. No Vietnã, sua presença exprime longa vida devido à coincidência fonética : duas palavras com pronúncias semelhantes significam ‘borboleta’ e ‘longevidade’. Em outras culturas, ela também significa felicidade conjugal. No Japão, elas são consideradas espíritos viajantes. (A propósito, me sinto um às vezes.

Além desses e outros significados, existe um simbolismo relacionado à sua metamorfose, que expressa saída do casulo para o renascimento. Eu, que vejo coisas em tudo e vivo num mundo paralelo (rsrs), cheguei a tomar posse dessa mudança.

Passado um ano, eu ainda não tinha desistido de esperar a boa notícia. Parece louco, mas passei um ano com esta ‘coisa’ na cabeça – e vendo borboletas. Esperei a Páscoa, quem sabe não seria neste dia que seria informada da surpresa. Afinal de contas, é o dia da celebração da ressurreição de Jesus Cristo.

Aguardei ansiosa, mas ela não veio! Não veio no domingo, porém no dia 13 de abril de 2010, um pouco mais de uma semana depois do feriado, recebo a ligação do Pedro Castro, secretário executivo do PACTO PELA RESTAURAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA, dizendo que eu havia sido escolhida para ser a assessora de comunicação do movimento nacional de recuperação ambiental de um dos biomas mais importantes do planeta.

Chorei durante a ligação, sem que o Pedro percebesse, claro! Coloquei-me de joelhos e agradei muito a Deus. Eu não tinha todos os requisitos para ser escolhida para a função, não falava inglês, não dominava Corel e Photoshop, não tinha experiência na área ambiental e nem cursos tão específicos. Mas se Deus havia determinando que a vaga fosse minha é porque Ele também iria me capacitar para realizar um bom trabalho.

Notícia mais alegre eu não podia receber naquele momento, eu estava desempregada há mais de um mês e com um aluguel pesado em minhas costas, além dos outros gastos. Para a notícia ser ainda melhor, a remuneração era o dobro do que eu ganhava. Receber para trabalhar pela preservação e conservação do meio ambiente, algo que faria até como voluntária, era uma graça abençoada demais. (Era não, é!)

Entrei imediatamente no site do Pacto pela Restauração da Mata Atlântica e “de cara” algo me chamou a atenção. A logomarca do movimento é um círculo com desenhos de plantas e animais em seu interior representando a biodiversidade. Os dois elementos que mais chamam a atenção são as duas mãos indo de encontro uma a outra simbolizando o ‘pacto’. O detalhe: entre essas duas mãos, tem um pequeno símbolo... A borboleta! Azul? Na realidade não sei dizer, na logomarca ela é verde. O que importa isso também? Acho que o mais importante é a nossa fé, a confiança em Deus e a certeza de que tudo Ele fará para que você realize os seus sonhos...

Por falar em sonho, durante a espera da boa notícia, sonhei várias vezes que eu era uma fada azul com asas de borboleta. Tinha um Pai generoso e sábio (que era Deus) e um irmão mais velho muito companheiro e amigo que ficava sempre ao lado do Pai na administração do Reino (Jesus). Eu era responsável por disseminar boas notícias pelo mundo, mas às vezes faltava conteúdo, então eu inventava umas mentirinhas e arrumava a maior confusão. Diante da impossibilidade de contornar a situação, eu corria para o colo do Pai e deixava Jesus tomar a frente para resolver o problema. Que delícia de sonho... Uma vez minha irmã me disse que talvez eu fosse uma fada e não sabia. Agora, eu sei!

Meio ambiente atrai talentos
















Conheço muita gente e, praticamente, todos os meus amigos ou pessoas que estão próximas a mim conhecem os meus sonhos e os meus propósitos. Porém, algumas coisas, alguns detalhes importantes, eu diria “os pequenos milagres e sinais da vida”, muitas vezes passam despercebidos.
Acho que eu ainda não contei para ninguém, por exemplo, que foi o título de uma reportagem que me trouxe concretamente a São Paulo. A vontade de me mudar já existia, pois é sabido que aqui se concentra a maior parte das discussões sobre sustentabilidade e responsabilidade social. Eu ficava angustiada ao ler tantas coisas da área na internet, ficar sabendo de tantos eventos e iniciativas acontecendo, mas eu estava longe. Tudo acontecia, crescia e despontava na capital paulista (eu digo capital do país).

Certo dia, peguei uma Marie Claire da vida, ainda em Minas, e li a matéria “Meio ambiente atrai talentos”. A reportagem, perdida no meio de assuntos sobre estética, beleza e comportamento, indicava alguns cursos de capacitação na área de sustentabilidade. Para minha “não-surpresa”, todas as instituições de ensino se localizavam em São Paulo. Não sei explicar, mas aquela reportagem ficou gravada na minha cabeça, anotei alguns sites e comecei a pesquisa.

Como sou uma pessoa de fé e sigo minha melhor intuição, não me desgasto muito com pesquisa, busca de referências e comentários negativos das pessoas, não sou o tipo insegura e preocupada. Acredito que Deus sempre dá a melhor direção quando O convidamos para estar na frente e, para comprovar, acabei escolhendo uma das melhores opções. Na loucura e no ímpeto do momento, fiz minha matrícula pela internet. Agora, eu tinha que ir, de um jeito ou de outro. As mensalidades eram caras, eu tinha que fazer valer o investimento que guardei durante um bom período em que trabalhei em Juiz de Fora. Mas a ceteza do meu coração me impulsionava, esta mudança radical já estava determinada no céu.

Arrumei as malas e cheguei aqui, nunca tinha pegado um ônibus em São Paulo, não tinha a menor noção de leste, oeste, norte e sul. Descobri o trajeto para chegar até a USP e fui com a cara e a coragem. Um tumulto de assustar qualquer mineiro mais antenado. No meio do caminho, eu ainda tinha que descer e pegar outra condução, em outra avenida. Quando fui chegando próximo à universidade, as luzes ficaram mais brandas, muitas árvores, um verdadeiro breu estava dominando a área. “Ah, Raquel – pensei comigo – você é maluca!” Em seguida, respondi a mim mesma: “Seja o que Deus quiser - literalmente! rs”

Cheguei atrasada logo na primeira aula, pois não tinha muita noção de tempo e de deslocamento nesta metrópole. Para minha surpresa e alegria, o coordenador do curso já me indicou algumas pessoas que moravam perto da minha casa, ou melhor , da casa da Óli, onde foi minha habitação durante dois meses. Naquele mesmo dia, conheci quatro amigas que moravam em Perdizes – Marisa, Mariana, Guta e a Maria Elisa. Toda semana, íamos para o curso juntas, pois elas revezavam o carro, como forma de não emitir tanto CO2 no meio ambiente.

MATA ATLÂNTICA


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
E, voltando ao assunto ‘meio ambiente’, hoje é 27 de maio, Dia Nacional da Mata Atlântica, estou em São Paulo há 1 ano e 9 meses e também estou completando 1 mês em meu novo trabalho, na função de assessora de comunicação do PACTO PELA RESTAURAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA. Eu não imaginava, propriamente, que um dia estaria atuando na área ambiental, mas hoje eu estou muito feliz e agradecida a Deus pela oportunidade.
A cada dia que eu estudo, lei, busco informações e conheço militantes da causa, mais eu fico apaixonada por esta área tão importante, mas tão devastada e ameaçada onde vivemos. A Mata Atlântica é a nossa casa. É ela quem nos oferece a água que bebemos, a água que movimenta as indústrias da região, principalmente a sul e a sudeste, ela abriga uma biodiversidade extremamente rica e complexa, ela nos oferece opções deslumbrantes de turismos, áreas de contemplação e de total paz interior, ela contribui para o equilíbrio climático, para a preservação das espécies e para que possamos usufruir uma melhor qualidade de vida.

Que Deus me capacite em minhas funções e até em novas atividades, para que eu possa fazer a diferença e impulsionar o trabalho de restauração ambiental sustentável da "nossa casa".

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Objetivo da Vida

Por Rick Warren













Muitas pessoas estabelecem metas, mas poucas chegam a estabelecer um objetivo de vida. Metas estão relacionadas com áreas específicas da vida: carreira, finanças, família, aposentadoria e outros aspectos importantes. Objetivo de vida, porém, estabelece direção para a vida inteira. Seu objetivo de vida é o que determina o panorama maior, a abordagem geral que você adota em sua vida.

Há quatro tremendos benefícios em considerar e colocar por escrito um objetivo de vida:

1 - Reduz frustração simplificando a tomada de decisão. Todos os dias encaramos uma variedade de escolhas e, geralmente, bastante complexas. Ter um objetivo de vida nos dá parâmetro para avaliar qual alternativa é a melhor.

2- Aumenta motivação. Um objetivo de vida correto servirá de inspiração para que nos levantemos pela manhã e persistamos mesmo quando quisermos desistir. “Quando não há visão, o povo perece” (Provérbios 29.18 – tradução livre).

3 - Permite concentração. Sucesso é, em grande parte, resultado da concentração em uma coisa e fazê-la bem. Certo apresentador de notícias da TV exibia uma placa em sua escrivaninha com a pergunta: “O que estou fazendo agora vai beneficiar este programa?” Objetivo de vida nos ajuda a manter o foco em nosso tempo, energia e recursos.

4 - Atrai cooperação. É notório que quando decidimos onde queremos chegar na vida, outras pessoas passarão a acompanhar-nos. As pessoas seguem aqueles que descobriram claramente quem são e o que desejam realizar.

Encontre tempo durante esta semana para ficar sozinho em um lugar sossegado e pensar sobre seu objetivo de vida. Sugiro os seguintes passos:

- Identifique seus dons e talentos. Pergunte: “Em que eu sou bom?” e, “O que eu realmente gosto de fazer porque o faço bem?” Quando Deus planejou criá-lo dotou o seu DNA – sua estrutura e predisposição genética – de características e habilidades específicas. A combinação destes traços faz de você uma pessoa única. Deus quer que você faça aquilo para o qual Ele já o dotou.

Reveja suas experiências. Pergunte: “O que tenho aprendido?” As maiores lições surgem de nossos sofrimentos e dores. Isso precisa ser computado em seu objetivo de vida.

Decida o que é realmente importante. O urgente nem sempre é o mais importante. William James, um dos pioneiros da psicologia, disse certa vez: “O melhor uso para sua vida é investi-la em algo que permanecerá depois dela”. Sendo assim, pergunte a si mesmo: “O que será que vai durar por mais tempo?”

A Bíblia oferece este sábio conselho: “Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida..." Olhe sempre para a frente, mantenha o olhar fixo no que está adiante de você. Veja bem por onde anda, e seus passos serão seguros” (Provérbios 4.23,25,26).

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Qual é o meu caminho, qual a direção?



















Mais qual é o meu caminho, qual a direção
E qual é o meu destino, minha vocação
Carregar tua palavra, qualquer direção
E chamar outras almas, em outros mares pescar

Pescador tal como Pedro, pedra quero ser
Entregar-te minha vida, quero renascer
E mostrar a cada irmão, que o real viver
Está dentro de nós, quando cremos no Pai

A tua luz é o que vejo, o caminho a brilhar
A tua face contemplo, quero a rede lançar

Sou pescador de homens, venha comigo te ensino a pescar
Afasta tua barca da margem, e lança a tua rede ao mar

A fé que trás essa fartura é a mesma que te mostrará
Que há famintos pelo mundo, e só tu podes saciar

(Música: "Pescador" - Maninho)

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Deus nos uniu














Hoje de manhã acordei tão feliz e tão bem que minha vontade era reunir minhas queridas companheiras, Ana e Ju, e o nosso Senhor Jesus para um gostoso café da manhã ao ar livre - com pãozinho fresco, mortadela e café preto.

Amigas, como disse ontem à noite, não consigo descrever a alegria que é morar com vocês, dividir as alegrias, as tristezas, as angústias, os sonhos, as besteiras, os problemas, a fé e toda a nossa história. Não temos receio de falar nada uma com a outra, seja para pedir, seja para corrigir ou para assumir um erro. Estamos sempre de coração aberto, mesmo naqueles dias de mau humor...

Ontem falei sério quando disse: "Pai do Céu, que bom que eu não me casei até hoje, foi só para ter a chance de viver com a Ju e a Ana e experimentar um tipo de amizade diferente. Sim, é verdade! (a Ana confirmando, como ela sempre faz, até dormindo rsrs).

Sei que tenho outras amigas muito especiais. Algumas me acompanham desde a infância, outras foram descobertas mais tardes porém se tornaram presenças marcantes e essenciais na minha vida. Agradeço por cada uma delas e me sinto privilegiada por ter um espaço especial em seus corações. No entanto, nunca chegamos a dividir o mesmo teto. E, todos sabem, que o desafio de morar com alguém (seja marido, pais ou irmãos) exige uma força, uma tolerância e um amor muito maior.

Confesso que fiquei um pouco apreensiva quando decidimos morar em três. Imaginei que haveria muito mais conflitos, muito mais confusão, ciúmes, divergências e "tomadas de partido" que poderiam fazer uma de nós infelizes. Ah, também pensei na questão da bagunça, da dificuldade de estabelecer e cumprir normas. Confesso, sou muito chata mesmo! Já fui chamada pelos meus irmãos mais novos de governanta, usurpadora do lugar da minha mãe e até de bruxa, por querer dar ordens dentro de casa e exigir que estas fossem cumpridas.

Só não me dei conta de que o lugar em que iríamos morar, o nosso apartamento aqui em São Paulo, também receberia uma outra pessoa muito mais "espaçosa" e "autoritária", ou melhor, tão imenso em sua luz e tão cheio de autoridade. Fomos nós mesmas que convidamos Jesus para dividir conosco nossa casa, escolhida e preparada pelo nosso Pai do Céu para ser nosso abrigo, ponto de descanso, de paz e tranquilidade.

E Ele veio. Ele tem vindo de forma sobrenatural toda segunda-feira, pois é esse o dia que escolhemos para recebê-lo de forma especial. Neste momento, dividimos com Jesus a alegria de sermos suas ovelhinhas, a alegria de termos uma a outra, a alegria de termos uma família que está longe mas se preocupa com a gente, a alegria de todas as nossas conquistas. Além disso, também compartilhamos com Ele todas as situações adversas ou complicadas que estamos enfrentando nesta vida ou, mais especificamente, no momento.

Temos recebido muitas respostas e muitas graças por meio de Jesus. A gente até se surpreende. É difícil explicar, pois relacionamento com Deus só é possível entender quando experimentamos, quando abrimos o nosso coração, quando deixamos o nosso ego de lado e quando nos unimos com interesse ao nosso irmão. A prática da humildade, da verdade, da caridade e da fraternidade nos leva diretamente a Deus. Em Sua companhia, somos muito mais felizes.

Por isso se explica a luz e a alegria que existe em nossa casa e no meio de nós. Nossa amizade - Quel, Ju e Ana, tem por base o Nosso Senhor Jesus, independente da crença, pois esta ainda estamos trabalhando lá dentro rsrs. Como estamos trabalhando também outras coisas. Somos humanas, limitadas, fracas e cheias de defeitos. Às vezes, a gente se perde ou se esquece dos nossos propósitos, pois as coisas do mundo tem a capacidade de nos confundir e nos influenciar. Mas a gente está conseguindo lutar e vencer alguns desafios. Estamos crescendo - e muito, pois nossa "fonte" é maravilhosa, eterna e abundante.

Mais uma vez, Ju e Ana, agradeço a Deus e a vocês por serem minhas companheiras, minhas amigas e minhas irmãs. Minha vida é muito mais alegre, leve e divertida com vocês ao meu lado. O último sábado que nos diz... Mas é melhor isso ficar entre a gente rsrs. Amo vocês!!!

P.S.: Não posso deixar de citar aqui, nesta singela homenagem, outras duas pessoas que já moraram comigoum dia, duas amigas muito especiais também: Marcela (Santa Bárbara do Oeste/SP) e a Sula (Juiz de Fora/ MG), minha eterna amiga aventureira. Convivi pouco com cada uma delas, mas foi o suficiente para estabelecer um forte laço de amizade que, tenho certeza, durará para sempre.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Não seja um caminhão de lixo

















Um dia peguei um taxi. Estávamos rodando na faixa certa, quando de repente um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente. O taxista pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro por um triz!
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós nervosamente. Mas o taxista apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo um sinal de positivo. E ele o fez de maneira bastante amigavel.
Indignado lhe perguntei: 'Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital!' Foi quando o motorista do taxi me ensinou o que eu agora chamo de "A Lei do Caminhão de Lixo."

Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por ai carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e de desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Não tome isso pessoalmente. Isto não é problema seu! Apenas sorria, acene, deseje-lhes o bem, e vá em frente. Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, em casa ou nas ruas. Fique tranquilo... Respire e deixe o "lixeiro" passar.

O princípio disso é que pessoas felizes não deixam os caminhões de lixo estragarem o seu dia. A vida é muito curta, não leve lixo. Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas pessoais, ódio e frustações. Ame as pessoas que te tratam bem. E trate bem as que não o fazem. A vida é dez por cento o que você faz dela e noventa por cento a maneira como você a recebe.
 
Livre-se o lixo!

(Autor desconhecido)

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Terra: cuide, reflita, mude!

Hoje, 22 de abril, também é comemorado o Dia da Terra. A data foi criada em 1970, nos Estados Unidos, devido ao primeiro protesto nacional contra a poluição. A mobilização ganhou adeptos pelo mundo inteiro a partir de 1990. Coincidência ou não, neste dia comemora-se também o Descobrimento do Brasil. Há aqueles que dizem ser nossa pátria o "coração" e o "pulmão" do planeta.

Segue abaixo o video-clipe da música "Earth Song", em português "Canção da Terra", escrita pelo falecido astro pop, Michael Jackson, em 1991. A intenção cantor era criar uma canção de lirismo profundo e melodia simples para que pessoas do mundo todo pudessem cantar junto. Na faixa, Michael Jackson faz um alerta sobre a questão ambiental e avisa que estamos indo longe demais com nossas atitude. A canção foi indicada a um Grammy em 1997.

PACTO - Meu presente para o Brasil


PACTO   (por Raquel Corrêa)

Brasil, terra querida e abençoada
De matas verdes, mar azul e sol de ouro
Quero trabalhar e ser "presente" nesta vida
Para ver ainda mais beleza no tempo vindouro

Fui escolhida para estar a seu dispor
Cuidando de áreas que o planeta necessita
Esta causa é todos nós, não há escolha
Pois é de ar puro que o ser humano precisa


Entrei para valer neste Pacto
Por isso peço e oro: "Usa-me, Senhor,
para tornar nossos sonhos realidades de fato" (forcei né?)


Minha bandeira agora é ainda mais verde, quero vê-la sobressair
Pois assim o azul, o amarelho e o branco não deixarão de existir!


Observação: Na próxima segunda-feira, dia 26 de abril, começo a trabalhar oficialmente para o projeto "Pacto pela Restauração da Mata Atlântica." Acessem o site e confiram a relevância desta grande ação para o nosso país e para o nosso planeta. http://www.pactomataatlantica.org.br/

Navegar é preciso!














Em homenagem aos 510 anos do Brasil, comemorado hoje, dia 22 de abril, compartilho dois maravilhosos poemas do escritor português Fernando Pessoa. Acho que tenho um pouco de marinheira (e de astronauta rsrs), pelo menos na alma. Sinto que minha casa é qualquer lugar do mundo, por isso, por que não enfrentar mares nunca d'antes navegados?

Navegar é preciso

"Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa:
'Navegar é preciso, viver não é preciso'
Quero para mim o espírito desta frase
transformada a forma para a casar como eu sou.

Viver não é necessário, o que é necessário é criar
Não conto gozar minha vida, nem em gozá-la penso
Só quero torná-la grande, ainda que para isso
tenha quer ser o meu corpo e a minha alma a lenha desse fogo

Só quero torná-la de toda humanidade
Ainda que para isso tenha de a perder como minha
Cada vez mais penso assim

Cada vez mais penso na essência anímica do meu sangue
o propósito impessoal de engrandecer a pátria
e contribuir para a evolução da humanidade.

É a forma que em mim tornou o misticismo da nossa Raça".


Mar Português

"Ó mar salgado, quanto do teu sal

São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena?
Tudo vale a pena se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.”

terça-feira, 20 de abril de 2010

Meu compromisso no mundo














Sinto uma grande alegria em estar morando hoje na maior cidade do Brasil. Na louca, gigantesca, tumultuada e encantadora São Paulo. Em pouco menos de dois anos, esta cidade já me abriu portas importantes, me trouxe muitos c onhecimentos e me despertou várias ideias. Todos os dias, sou abençoada com oportunidades que jamais teria se estivesse em outro lugar.

Não sei dizer, exatamente, como foi o processo de mudança, mas foi rápido e inesperado, apesar de "namorar" a cidade há algum tempo. Meu interesse teve início com a vontade de trabalhar e adquirir conhecimentos na área de Responsabilidade Social e Sustentabilidade. Todas as pesquisas que eu fazia em livros, revistas e internet remetiam a São Paulo. Não há dúvida, a capital paulistana é o centro econômico, tecnológico, social, de inovações e conhecimentos de vanguarda. Meu destino estava traçado: Raquel teria que se mudar para São Paulo!

Tive que cultivar a fé, fazer planos e aguardar a hora certa. Ela chegou com a ligação da minha amiga-irmã Olívia me convidando para passar uma temporada na casa dela, em São Paulo, enquanto o Dudu, seu marido, cobriria as Olimpíadas Mundiais na China. Eu não desperdicei a oportunidade. Arrumei as minhas malas e fui para a casa dos “Móbis” sem pretensão de voltar. Comecei a fazer um curso na área e, de lá para cá, eu não parei um minuto, fisicamente e mentalmente.

Fiz o curso de Responsabilidade Social na Fia/USP; ganhei vários amigos; conheci a Marcela, em seguida fui morar com ela no bairro de Santa Cecília; arrumei emprego numa editora de revistas de negócios industriais como Relações Públicas, conheci uma outra “irmã”,a Tami Arita; entrevistei o Pe. Marcelo Rossi ao vivo (sempre fui fã dele); conheci a Ana no ponto de ônibus e um dia ela me levou para conhecer a Líber (Igreja Batista da Liberdade); surgiu a Execultive, um projeto social voluntário,depois que eu e a Tami descobrimos inúmeras valores, propósitos e sonhos em comum; depois de alguns meses, convidamos a Rê para fazer parte do projeto; me despedi da Marcela e me mudei para a casa da Emi, no bairro Vila Mariana; decidi me tornar membro de uma outra doutrina e comecei a fazer o curso de capacitação ministerial na Líber; descobri no teste que a igreja realizou comigo que tenho dons para evangelismo, exortação e fé; conheci a Ju na Líber e logo nos tornamos companheiras uma da outra; aExecultive realizou sua primeira campanha social em parceria com o Cenesp (Centro Empresarial de São Paulo); viajei para o interior de São Paulo várias vezes; viajei para Curitiba, revi uma parte da família paterna; viajei para o Rio Grande do Sul e fiz minha primeira cobertura jornalística para a Editora na cidade de Caxias do Sul; passei o final de semana nas Serras Gaúchas e conheci a Carla, uma paulistana, médica, baladeira e solteira; andei de avião pela primeira vez (demais!!!!); completei 30 anos e ganhei uma super festa surpresa das minhas amigas Tami e Renata, de emocionar; trabalhei mais uma vez como jornalista cobrindo o Seminário Internacional de Meio-Ambiente e Sustentabilidade Industrial, meu artigo foi publicado na edição de dezembro da Revista P&S - Especial Meio-Ambiente; tirei as merecidas férias e fui visitar meu pai e meu irmãozinho em Porto Seguro; vi uma estrela cadente no céu da Bahia, pedi para o Papai do Céu me ajudar a encontrar uma nova casa em São Paulo e um trabalho de Responsabilidade Social (sim, fiz dois de uma vez, pois a estrela era grande e muito brilhante); retornei à minha cidade adotiva no início deste ano e comecei a marotona de procurar um apartamento para dividir com a a Ju; foram diversos finais de semana andando sem parar, certo dia encontrei um trevo de 4 folhas pelo caminho, levei para a casa a mudinha, plantei num vasinho e reforcei os pedidos; a Ana também entrou no desafio de procurar casa para se mudar, acho que sua fé e oração fizeram toda a diferença – encontramos um apartamento de três quartos, num ótimo local e dentro das nossas condições financeiras; em seguida, comecei a me empenhar para conseguir um novo de trabalho, de preferência na área de Responsabilidade Social e Sustentabilidade – meu grande propósito aqui em São Paulo; fiz a mudança num mês e no outro recebi a notícia da demissão na editora, por incrível que pareça, comemorei; me fortaleci na oração com as minhas companheiras Ana e Ju, enquanto isso a gente foi montando a nossa nova casinha; a Execultive conquistou um cliente, apresentamos a nossa proposta e começamos a trabalhar na Occe – Clínica Odontológica; as meninas começaram a discutri a possibilidade de transformar a Execultive numa empresa em breve; a Tami deu um gás nos materiais institucionais para a gente começar a divulgação, porém, neste momento, vou ter que dar um tempinho, pois… CONSEGUI UM TRABALHO NA ÁREA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL !!! Vou trabalhar na comunicação do projeto “Pacto pela Restauração da Mata Atlântica”. E, para início de conversa, viajo para o Rio de Janeiro (de avião!) para uma reunião.

Isso se chama fé? Missão? Não tenho certeza. Só sei que tenho necessidade de agradecer, diariamente, a Deus, a Jesus e ao Espírito Santo por me proporcionar tantas bençãos. Espero e desejo do fundo do meu coração ser uma serva de Deus e me inspirar no trabalho do S. Paulo, o grande apóstolo evangelizador , comunicador das Boas Novas e padroeiro da maior cidade do Brasil. Amém!

Valorização Humana















Quinta-feira, dia 15 de abril de 2010.

Com a prespectiva de que Deus se fez Homem para ensinar seus filhos a se amarem, valorizar o outro, valorizar os relacionamentos e despertar sentimentos nobres nos seres humanos, nasceu o movimento “Valorização Humana”. Irmã Laura Etelvina, religiosa da Congregação das Irmãs de São José de Cambery, São Paulo, foi a primeira coordenadora geral do movimento, que se iniciou em 1965.

Esta semana, tive a feliz oportunidade de participar do curso e abrir a mente e o coração para novas descobertas. Foram muitos os conhecimentos, impossível relatar todos eles aqui. Mas fiz um resumo das principais questões abordadas. Confiram! Espero que algumas das sementinhas jogadas no vaso do meu coração possam germinar. Se Deus for o jardineiro, não tenho dúvida de que esses conhecimentos possam se transformar num lindo jardim.

“Cristo nos serve de parâmetro para as coisas que são boas ou ruins. Nossa realização está na realização dos planos de Deus para nós. Se Deus é Amor, ficamos mais felizes à medida que praticamos e estendemos este amor às pessoas e ao mundo.”

“Não somos nós que devemos pedir a Deus que mude os acontecimentos das nossas vidas. Nós devemos é tentar nos adaptar à vontade de Deus, e perceber que tudo serve de aprendizado. Só assim sairemos do nosso 'buraco', temos que encarar os nãos da vida, reagir aos fatos, buscar os melhores caminhos. Precisamos de ajuda, do apoio dos outros. Assim, Deus encontrou uma forma de ensinar o amor, nos corrigir e nos desenvolver.”

“Nossa vida é um presente que recebemos de Deus. Portanto, também devemos ser PRESENTES na vida das pessoas. A presença quantitativa só ocupa espaço. A qualitativa compartilha, se emociona com o outro, consola, dá ânimo, sem necessidade de dominação".

"Muitas pessoas querem dominar ou controlar as outras pessoas. Geralmente, essas pessoas têm um Q.I. relativamente elevado, mas elas com isso só demonstram sua fragilidade. Não conseguem dominar elas mesmas, seus instintos e seus impulsos.”

"Erramos muito, mas na maioria das vezes não é por maldade, e sim por ignorância. No fundo, estamos apenas dizendo Quero colo! Goste de mim, me dê atenção e carinho, por favor!"

"Somos seres indigentes e transcedentes. Necesitamos de união, apoio mútuo, justiça, senso de comunidade e harmonia."

"O que nos une, na verdade, são as diferenças: o outro tem aquilo que eu necessito, que falta em mim. Somos complementos uns dos outros, temos necessidades diferentes, um pode ajudar o outro, auxiliar uns aos outros. Vocações diferentes, qualidades diferente e serviços diferentes = maior desenvolvimento do todo".

"Aquilo que nos irrita na outra pessoa, geralmente é o que está em nós. Não gostamos de nos ver."

"Se sentimos raiva é porque a raiva já se encontra dentro da gente. Ainda não a eliminamos, por isso a manifestamos."

“Tem gente que não quer melhorar, porque se a pessoa resolver melhorar vai ter que encarar a vida e ir à luta. Sair da inércia, tomar atitudes e trabalhar de forma mais intensa. Vai sair da posição de ‘coitada’ e, assim, ninguém mais ouvirá suas lamentações. E ser vítima é uma posição de conforto.”

"A Via Sacra nos mostra que alguém até ajudou Jesus a carregar a cruz, mas Ele se reergueu sozinho, com suas próprias forças. Não há relato de alguém ajudando Jesus a se levantar, isso porque precisamos entender que devemos buscar em nosso interior as nossas próprias potencialidades. Com fé e esperança, tudo é possível. Podemos contar com pessoas para nos apoiar e nos ajudar a descobrir nossas potencialidades, mas a decisão e a força para se levantar vem de dentro de nós. Jesus estava sendo sustentado pelo amor de Deus e assim acontece com a gente também. Se somos criaturas de Deus, somos perfeitos e dotados de todas as capacidades, porque a obra de Deus é perfeita. Nós podemos ser perfeitos também. Como? Imitando de todo coração ao nosso mestre Jesus Cristo."

“ Ser cristão é remar contra a maré. O mundo te puxa para um lado, mas o cristão se esforça para ir para o outro. Às vezes, dá vontade de largar o remo, mas Jesus disse que estaria conosco a todo momento, até o fim dos tempos.”

"O apego empobrece o espírito. Então, por que só pensamos em boa vida, no conforto, em nossa satisfação e no paraíso? Todo mundo quer ser SALVO, mas nem todo mundo quer ser SANTO. Deus age em nós, mas precisamos dar espaço para que Ele trabalhe. Como? Pela fé, pela oração, pela instrução e pela força de vontade! Nosso principal objetivo é transformarmos a nós mesmos e, depois, contribuir no mundo. Já dizia um mestre: Quer mudar o mundo? Comece por você! Porém, para realizarmos esta mudança precisamo pedir o auxílio de Deus. Somos seres indigentes, lembra? Precisamos uns dos outros e, acima de tudo, precisamos de Deus, nosso Pai Criador. Mas para pedir, antes precisamos reconhecer sua existência, crer e começa a relacionar-se com Ele. Aí Deus começa a agir."

"Para Deus nós não somos limitados, temos todas as potencialidades e todas as possibilidade na vida. Somos instrumentos de Deus, e Ele está fazendo Sua Obra através de nós, seus filhos. SEDE PERFEITOS COMO VOSSO PAI O É (Jesus). Desafio: estar no mundo, no meio do mundo, sem ser deste mundo, pois existe uma incompatibilidade entre os valores do mundo e os valores espirituais (de Deus). Exemplo: o que tem mais destaque no Natal, o Presépio ou o Papai Noel? O que é tem mais valor neste mundo, o SER ou o TER? Acho que já sabemos as respostas…"

"Qual a sua META? Sua meta é DEUS? Se sua Meta é Deus, me diga: você caminha com Fé mesmo com o mar fechado?  Pela fé, eu posso acreditar que qualquer transformação é possível, na vida ou no ser de uma pessoa. A fé é um dom de Deus, ou seja, ela é perfeita, independe de religião."

"Eu não conheço nem a palma da minha mão, e olha que ela está aqui pertinho, à minha disposição há anos, como posso achar que conheço o outro, que posso transformar o outro, modificar a pessoa? Quem se modifica é ela mesma, desde que decida-se. Nós podemos auxiliar o próximo através de nossos exemplos."

"Também aprendemos que o nosso passado explica, mas não justifica nossas atitudes de hoje. (PELO MENOS, NÃO DEVIA). A tomada de consciência nos cobra uma responsabilidade."

"Deus se fez pessoa humana, portanto nada mais há de importância do que gente, do que o ser humano. Tem gente que cuida melhor de um cachorrinho do que de um ser humano. Tem cachorro que recebe mais privilégios e conforto do que uma criança. Existe um problema aí. Quantas pessoas no mundo estão precisando de amor, carinho, atenção, comida, oportunidades etc? "

"Oato de ACOLHER pode transformar a vida do outro. O acolhimento pode se dar pela educação ou pelo amor cristão. O amor cristão se manifesta num olhar, no ombro de um amigo, no colo que oferecemos, na companhia, no ouvir. Existem milhares de formas…"

"CRISTO deve habitar no centro do nosso coração. Com Ele, eu posso encontrar a solução para qualquer situação. Ainda que eu não encontre a solução, posso ter a certeza de que Ele caminhará sempre conosco.

"DEUS = nosso PONTO DE PARTIDA e nosso DESTINO FINAL."

Não gosto do transitório, do provisório. Gosto do Eterno...















Hem? Hem? O que mais penso, testo e explico: todo-o-mundo é louco. O senhor, eu, nós, as pessoas todas. Por isso é que se carece, principalmente, de religião: para se desendoidecer, desdoidar. Reza é que sara da loucura. No geral. Isso é que é salvação-da-alma. Muita religião, seu moço! Eu cá, não perco ocasião de religião. Aproveito de todas. Bebo água de todo rio. Uma só, para mim é pouca, talvez não me chegue. Rezo cristão, católico, embrenho a certo. E aceito as preces de compadre meu, Quelemém, doutrina dele é de Cardeque. Mas, quando posso, vou no Mindubim, onde o Matias é crente, metodista: a gente se acusa de pecador, lê alto a bíblia, e ora, cantando hinos belos deles.
Tudo me quieta, me suspende. Qualquer sombrinha me refresca. Estremeço. Como não ter Deus?! Com Deus existindo tudo dá esperança: sempre um milagre é possível, o mundo se resolve. Mas, se não tem Deus, há-de ter gente perdidos no vai-vem, e a vida é burra. (...) Tendo Deus, é menos grave se descuidar um pouquinho, pois, no fim dá certo. Mas, se não tem Deus, então, a gente não tem licença de coisa nenhuma! Porque existe dor. E a vida do homem está presa encantoada - erra rumo, dá em aleijões como esses, dos meninos sem pernas e braços. Acho que o espírito da gente é cavalo que escolhe estrada: quando ruma para tristeza e morte, vai não vendo o que é bonito e bom.

Guimarães Rosa - Poeta mineiro

terça-feira, 16 de março de 2010

Minha descendência, minhas raízes...



Alguém poderia imaginar que a cidade de São Paulo, a maior e mais desenvolvida metrópole do Brasil, ainda abriga uma aldeia de índios guarani? A abertura do seminário Economia Verde, grande evento sobre sustentabilidade e incentivos de investimento para o setor ambiental, realizado esta semana no auditório do Ibirapuera, contou com a apresentação do Coral Guarani Tenonde Porã. Crianças e adolescentes, com trajes e instrumentos típicos da sua cultura, cantaram e dançaram para uma grande platéia de profissionais, políticos, empresários, jornalistas e diversos especialistas. Eles fazem parte de um grupo indígena que vivem nas imediações da capital paulista. Este espetáculo, tão simples e singelo, tendo como cenário o verde do maior parque da cidade, me emocionou e me fez refletir sobre minhas raízes.

Quando as pessoas conversam sobre suas origens, o mais comum é ouvirmos que a descendência da família é italiana, alemã, francesa, espanhola, holandesa etc. Quase nunca ouvimos que suas raízes são africanas, indígenas, latinas etc. Reconheço que o sobrenome, alguns costumes e a aparência física demonstram nossa natureza, mas será que estes aspectos são capazes de definir absolutamente nossas raízes? E por que se vangloriar tanto em ter uma descendência européia se a maioria das famíias já está instalada aqui há quase 500 anos?

Apesar de ter os cabelos loiros e a pele branca, tenho orgulho em dizer que meus antepassados são índios. A semelhança deste povo com a minha família vai além do aspecto físico. Nossos costumes também são muito semelhantes. Eles gostam de dançar, cantar e vivem em comunidade de uma forma simples e solidária. Valorizam e cuidam com carinho da natureza, celebram o sol, a lua, a chuva e aproveitam com alegria as coisas mais simples da vida como um banho de cachoeira. Não maltratam os animais, pois entendem que deles também é a terra. Caçam sim, porém é para sobrevivência, possuem grande conhecimento de remédios naturais, preparados à base de folhas, raízes e frutos. Fazem rezas (orações), cultos e festas. Gostam de enfeites e de se pintarem, principalmente para chamar a atenção. São guerreiros, mas preferem construir redes a armas.

Ao contrário do que muitos dizem, não considero os índios preguiçosos. Eles apenas não possuem as ambições e as motivações que nós alimentamos - ou que nos induziram a alimentar e conquistar. Infelizmente, a modernização, o imperialismo e o desenvolvimento desequilibrado e inconseqüente da sociedade interferiram na natureza cultural e social do povo indígena. Para começar, os portugueses que aqui chegaram para conquistar o Brasil influenciaram fortemente seus hábitos e costumes. De uma forma autoritária, desprezaram suas crenças, seus conhecimentos, sua sabedoria e o seu espaço.

Sei que a história hoje é outra, mas não podemos nos eximir da responsabilidade de termos contribuído para o desequilíbrio cultural, social e econômico deste povo. Se tivéssemos chegado com o intuito de construir uma sociedade sólida, baseada em valores como a justiça e o respeito, nossas relações certamente seriam outras. Ao contrário, o único objetivo dos conquistadores era explorar, extrair, subjugar e lucrar em benefício próprio. Infelizmente, a cobiça ainda continua sendo um dos maiores males da humanidade.

Fiquei muito feliz ao assistir a apresentação do Coral Guarani Tenonde Porã. É uma alegria constatar que riquezas humanas e culturais como essas ainda resistem mesmo em meio a tanta industrialização, poluição e preconceito. Mas enquanto ouço a maioria declarar que sua descendência é européia, eu exalto o povo que estava aqui antes da chegada de qualquer outra sociedade. Com alegria declaro que sou do Brasil, desta terra ricamente abençoada, nasci neste chão, sob um dos céus mais lindos do planeta.


Segundo os contos de família, minha bisavó era índia e chegou a ser laçada por um branco. Talvez eu também possa dizer que tenho uma “pézinho” na Europa (como todo mundo), mas a semelhança mais forte que tenho com esta civilização é não ser muito chegada a banho. Para mim, basta um por dia, isso se eu suar muito! Brincadeira... O que basta é a nossa arrogância, o desprezo e esta necessidade animalesca de tentar dominar tudo e todos. Isso basta!